Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

1. Dia (Dom) – Teresina

Imagem Imagem
Após café da manhã faremos passeio turístico pela cidade. Apreciaremos artesanatos e o folclore teresinense. O artesanato apresenta características da arte santeira (fibras e palhas), nas esculturas (cerâmica), na tecelagem (fios de algodão) ou nas rendas e bordados. O folclore de Teresina guarda as manifestações culturais de sua população, como o bumba-meu-boi, que expressa a época da colonização e ocupação das terras nordestinas.

2. Dia (Seg) – Teresina / Floriano / Serra da Capivara

Imagem
Após café da manhã saída para Floriano, na margem direita do médio Parnaíba (253 Km). Aqui viveu uma sociedade livre, movediça, enérgica, entregue à atividade rude do pastoreio. Homens fortes e arrojados, os verdadeiros descobridores, conquistadores do Vale Parnaíbano partiram desse núcleo de irradiante força de expansão. Este era o maior e mais importante acidente geográfico da primeira capitania. Hoje, Floriano é o principal centro educacional do sul dos estados do Piauí e do Maranhão, exercendo influência sobre quase 30 municípios piauienses e maranhenses. Almoço em Floriano. Continuação para alojamento na Serra da Capivara.

3. Dia (Ter) – Serra da Capivara

Imagem
Sítios Arqueológicos mostram a ocupação humana a 50 Mil anos atrás, 30 mil anos antes dos homens vindos da Sibéria. Pinturas rupestres mostram como era a vida de nossos antepassados: caçadas, orgias sexuais, animais desconhecidos, e baleias comprovam que tanto a paisagem como os costumes mudaram muito. Conheceremos 129.140 hectares da maior concentração de sítios pré-históricos da América entrelaçando-se em vegetação de caatinga.

4. Dia (Qua) – Serra da Capivara

Imagem
Hoje visitaremos o Desfiladeiro da Capivara com seus magníficos sítios arqueológicos, ricos em pinturas rupestres. Percorreremos trilha com vegetação densa (2 Km) até o Boqueirão do Papagaio onde encontraremos alguns abrigos rochosos com pinturas pré-históricas inigualáveis. Os sítios do circuito dos veadinhos são alcançados por trilha íngreme (2h00), mas seremos recompensados com pinturas únicas na América Latina utilizando a cor azul. Para finalizar, em grande estilo, passaremos pela Toca do Papagaio, primeiro sítio arqueológico encontrado no Parque.

5. dia (Qui) – Serra da Capivara

Imagem
Pela manhã visitaremos o Baixão da Pedra Furada, cânion de 100 m, composto por vários sítios arqueológicos. No Boqueirão da Pedra Furada registramos os vestígios mais antigos da ocupação das Américas. É a principal atração com passarelas e iluminação noturna. A visita ao alto da Pedra Furada é íngreme (1h00), mas somos recompensados com a paisagem. À tarde visitaremos o Baixão do Sítio do Meio, segundo mais importante do parque, com figuras rupestres de mais de 25 mil anos. No local foi encontrada uma machadinha de pedra polida com 9.200 anos. Passaremos, também, no Baixão das Mulheres, cânion de 60 m com três sítios arqueológicos, registrando suas pinturas rupestres (1h de caminhada).

6. Dia (Sex) – Serra da Capivara

Imagem
Após café da manhã percorreremos trilha ao Caldeirão do Rodrigues e das Canoas apreciando vales e cristas de impressionantes desfiladeiros. O caldeirão do Rodrigues é um reservatório de água e tem 2 sítios arqueológicos com pinturas rupestres. À tarde apreciaremos o ritual de retorno das Andorinhas para pernoite com suas inusitadas acrobacias aéreas e sons característicos. Retorno ao hotel para pernoite e jantar com a deliciosa comida típica nordestina: galinha caipira, bode assado, ensopado de carneiro ou carne de sol.

7. Dia (Sáb) – Serra da Capivara / Petrolina

Imagem Imagem
Pela manhã visita ao Museu do Homem Americano que reúne 30 anos de pesquisa nas áreas de arqueologia e paleontologia, mostrando a história da evolução do homem, do clima e do relevo na América. Há ferramentas, cerâmica, vestígios arqueológicos (como ossadas humanas, urnas funerárias e múmias), reproduções e moldagens de inscrições rupestres. Partiremos para Petrolina.

8. Dia (Dom) – Petrolina

Imagem
A lenda diz que, quem bebe da água do São Francisco, nunca mais deixa de voltar a Petrolina. E a lenda torna-se um fato. Com suas águas mornas e límpidas, o Rio São Francisco é uma das grandes atrações de Petrolina, a cidade que mais cresce no Nordeste. Petrolina oferece passeio de barco, a prática de esportes náuticos e a poesia de suas águas que cantam em conjunto com o vento. Tudo em Petrolina é pra se ver, tudo em Petrolina é para se sentir e manter para sempre na lembrança. Visitaremos o centro de arte e cultura Ana das Carrancas, o Museu do Sertão e os magníficos vinheiros.

9. Dia (Seg) – Petrolina / Lagos do São Francisco

Imagem Imagem
Após café da manhã viajaremos para a região mais bonita do São Francisco. História, ecologia, aventura, avançada tecnologia em frutas e produção de energia fazem parte do São Francisco. Região diversificada de clima seco e quente, é banhada pelas águas do rio. A culinária que mistura a sertaneja com as peixadas de Surubim e as praias de água doce e areias alvas e finíssimas encantam.

10. Dia (Ter) – Lagos do São Francisco

Imagem Imagem
O São Francisco oferece tranqüilidade para esquiar e pescar. Lugar perfeito para passeios em ambientes naturais e exóticos. Passeio em barco e visita a reserva indígena Pankarapu.

11. Dia (Qua) – Lagos do São Francisco / Ibimirim / Buíque

Imagem Imagem
Pela manhã saída em bugre através do maravilhoso Parque Nacional Vale do Catimbau, visitando a Serra do Quiridalho, com abrigos naturais e cavernas, onde há registro de inscrições rupestres: a Lagoa do Puiu com as águas da margem esquerda apresentam elevada salinidade, enquanto as da margem direita são doces; as Furnas do Capu e da Lagoa do Puiu são antigos cemitérios indígenas. Imbimirim vive num constante “Dia de todos os Santos”, com sua grande produção artesanal de imagens sacras em madeira. Os trabalhos em tecelagem (redes, tapetes, mantas), fibra, palha, plumaria e sementes são destaques pela perfeição. Em noite de lua cheia assistiremos aos rituais do “Praiá” realizado na reserva indígena Kambiwá.

12. Dia (Qui) – Buíque / Canyons do Catimbau

Imagem
Pela manhã visita ao Vale do Catimbau que possui cênicas formações rochosas, mas a maior atração são as inscrições rupestres feitas há pelo menos 5 mil anos. Depois da Serra da Capivara, é o mais importante parque arqueológico do país, com 23 sítios catalogados. Os grafismos foram feitos por tribos de épocas distintas, que utilizavam-se de diferentes técnicas de pintura. A tarde caminhada até a Serra das Torres, um antigo vulcão morto.

13. Dia (Sex) – Buíque / Alcobaça / Reserva Kapinawá

Imagem
Pela manhã visitaremos o Sítio Alcobaça, com pinturas rupestres de diferentes épocas, assim como inscrições em baixo relevo. As pinturas rupestres mostravam como nossos ancestrais viveram: cabaças, orgias sexuais e animais desconhecidos, mostram que não só os custumes mudaram, mas também a paisagem. Caminhada à Serra do Elefante e a noite assistiremos ao Toré e ao samba de coco, dançados pelos índios em torno do cruzeiro da Igreja de São Sebastião, na reserva indígena. O canto e a dança destinam-se antes de tudo aos rituais. Provaremos, acompanhando os rituais, o famoso Bode no Buraco.

14. Dia (Sáb) – Buíque / Caruaru / Recife

Imagem Imagem
Pela manhã seguiremos para Caruaru, considerada pela UNESCO, “o maior centro de arte figurativa das Américas”, ressalta-se pela produção artesanal e pelos festejos juninos, ganhando o título de “Capital do Forró”. Visitaremos o Alto do Moura, residência e oficina de diversos artistas do barro. Continuação para alojamento em Recife.

15. Dia (Dom) – Recife / Tour Histórico / Olinda

Imagem Imagem
Visita da cidade, incluindo a Praia e Igreja de Boa Viagem, Rios Capibaribe e Beberibe e a Capela Dourada. Passagem pelo Forte das Cinco Pontas, Ruas do Sol e da Aurora, Forte do Brum, Pátio de São Pedro, Campo das Princesas, Ponte Maurício de Nassau (local da mais antiga do Brasil). Visita a Olinda – cidade monumento histórico e artístico universal (título concedido pela Unesco), Alto e Igreja da Sé (1537), antigo mercado de Escravos, Ladeira e Convento de São Francisco (1585).